terça-feira, 20 de agosto de 2013

Guia de estudos: confira 10 temas essenciais de geografia

Conceitos que envolvem mudanças no clima, fontes alternativas de energia e globalização devem estar na ponta da língua dos estudantes que irão encarar a maratona de vestibulares no final deste ano. Para ajudá-los, o UOL preparou uma lista com dez temas essenciais de geografia.

Esse é o terceiro roteiro de uma série que trará o guia de estudos de uma disciplina por dia.

O compilado foi feito com a ajuda dos professores dos cursinhos Anglo, Paulo Moraes, CPV, Adriano Baroni, e Oficina do Estudante, Bruno Saneti. Confira a seguir:

Globalização: Processo de internacionalização das relações econômicas capitalistas, apoiado em novas tecnologias de transporte e telecomunicações e na ampliação da capacidade produtiva

Para Bruno Saneti, da Oficina do Estudante, a globalização está relacionada com aeconomia entre os países. "Se você pega questões sobre movimentos migratórios, você está falando de globalização", analisa. 

Alexandre Gobbis, professor do Cursinho do XI, aposta em questões envolvendo a crise de 2008 e a então saída do Paraguai do bloco liderado pelo Brasil. "O que estamos vendo agora são os blocos em crise, a zona do euro, o Mercosul."

Terceira Revolução Industrial: Essa nova é também chamada de revolução tecnocientífica

"Esta revolução científica está relacionada com a segunda globalização, como a gente conhece, que só aconteceu por causa desse desenvolvimento da tecnologia originada principalmente durante o período da Guerra Fria", diz Saneti.

Potências emergentes: A sigla Brics dá nome a um grupo formado por potências econômicas emergentes: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. A importância do grupo ultrapassou a área econômica e a presença desses quatro países tornou-se indispensável em discussões políticas

Para Adriano Baroni, do CPV, o aluno deve ter em mente que são países de diversas origens (ex-colônias, ex-socialistas, "socialismo de mercado" no caso da China, por exemplo) que irão apresentar significativos níveis de desenvolvimento econômico.

É importante estar atento ao fortalecimento do setor industrial e tecnológico, aumento da capacidade exportadora (principalmente das commodities, no caso do Brasil e África do Sul) e expansão dos mercados consumidores internos (com significativa melhoria das condições de vida de seus cidadãos).

Clima: elementos climáticos, como a umidade, pressão atmosférica e temperatura; fatores de determinação do clima; e as mudanças do clima e suas consequências.

O professor Saneti acredita que o estudante deve saber a diferença entre fatores e elementos climáticos e entre clima e tempo. Assuntos como o aquecimento global, camada de ozônio e até mesmo o frio que a região centro-sul do país teve no mês de julho podem ser abordados.

Teorias demográficas: Teoria Malthusiana (a população mundial cresceria em um ritmo rápido, comparado a uma progressão geométrica, e a produção de alimentos cresceria em um ritmo lento, comparado a uma progressão aritmética); Neomalthusiana; e Reformista 

Saneti acredita que o tema é muito importante e lembra que o recente livro de Dan Brown "Inferno" discorre sobre população, podendo ser um "gancho" para alguma questão.

"É bom saber sobre os erros da teoria malthusiana, a volta dela no pós-Segunda guerra por causa do 'baby boom'. Eles tentam usar a teoria novamente sem os erros do século 18, mas mesmo assim continuam os problemas. Sabemos que a dificuldade não é a falta de recursos, mas sim a distribuição", analisa. 

Fontes de energia: Alteração da matriz energética, fontes convencionais ou alternativas

"Assunto recorrente, principalmente com relação à queima de combustíveis fósseis", diz Saneti. O professor lembra ainda que o petróleo é ainda o combustível mais usado no planeta, e questões envolvendo problemas ambientais, diminuição desses recursos e busca por novas alternativas são corriqueiras também. 

Migrações internacionais: haitianos no Brasil (mesma rota hoje é usada por imigrantes de outras nacionalidades, como senegaleses, nigerianos, dominicanos e indianos), novos fluxos imigratórios, xenofobia, motivação política e econômica

O assunto inclusive já foi abordado na redação do Enem do ano passado. "Podemos afirmar que o Brasil se considera, de maneira errada, um país que aceita muito bem as diferenças, os imigrantes, e não é bem assim. Em São Paulo, por exemplo, a gente vê o preconceito que o nordestino sofre. Então temos de certa forma o crescimento da xenofobia por aqui", analisa o professor da Oficina.

Relevo: processos de formação, principais formas no Brasil e placas tectônicas

Para Baroni, do CPV, os alunos devem reconhecer os agentes internos (criadores do relevo) e os agentes externos (modeladores do relevo). Partindo desta relação, estabelecer o dinamismo do processo de formação das unidades do relevo no Brasil e identificar as diferenças entre as depressões (predominantes), os planaltos e as planícies.
Solos: formação, uso e degradação

"O processo de formação dos solos deve ser entendido no contexto da ação do intemperismo [físico e químico] da formação do relevo. Desgaste e decomposição das rochas são fundamentais para a formação dos solos. Quanto ao seu uso e degradação, deve ser diferenciado o agronegócio [agressivo e impactante] das diversas formas sustentáveis de produção agrícola, principalmente aquelas que envolvem a agricultura familiar", diz Baroni.

Recursos hídricos: potencial e aproveitamento (hidroeletricidade, irrigação e transporte)

Regiões tropicais, áreas sedimentares e as grandes bacias hidrográficas passam a ser vistas como áreas estratégicas na produção energética renovável, no aproveitamento agrícola de áreas secas (irrigação) e como modalidade de transporte capaz de reduzir de forma significativa o custo de produção e aumentar a competitividade dos produtos. 

O Brasil, com seu gigantesco potencial hídrico, passa a se destacar como detentor de um dos maiores potenciais do mundo.

Fonte: Vestibular UOL