terça-feira, 19 de março de 2013

ATUALIDADES | Consequências indesejadas fazem China repensar política do filho único


Além de problemas estatísticos, política do filho único tem aumentado egoísmo dos chineses

Instituída em 1979, a política do filho único estabeleceu severas multas para os casais chineses que não cumprissem a lei. A legislação, que não é válida para membros de minorias étnicas ou descendentes de casais que sejam filhos únicos, abarca 63% das províncias do país e gerou consequências inesperadas e indesejadas, como o predomínio de homens adultos.

Segundo o documento do Bureau Nacional de Estatística chinês, apesar de o número de nascimentos ter crescido 0,17% em 2012, na comparação com o ano anterior e chegando a 16,35 milhões de novos chineses, a população em idade para trabalhar teve um declínio de 0,6%, o que significa 3,54 milhões de trabalhadores a menos no país. Ma Jingfang, estatístico e colaborador do Bureau, disse à mídia local que a China precisa de um novo plano “apropriado e científico para suas leis de planejamento familiar”.

O ministro responsável pela Comissão Nacional de Planejamento Familiar, Wang Xia, fez um pronunciamento em janeiro dizendo que não haverá mudanças no controle de natalidade, que, estima-se, evitou o nascimento de 400 milhões de chineses. O debate, porém, anda acirrado entre os defensores do fim da política e Pequim. “Se continuarmos assim, não teremos mais pagadores de impostos, trabalhadores ou gente para cuidar dos velhos”, reflete o demógrafo Gu Baocheng, da Universidade do Povo, de Pequim.

“Há que se considerar também a ineficiência da mão de obra no país. Se você vai a um restaurante relativamente grande, há muitas meninas cujo trabalho é apenas cumprimentar o freguês ao entrar. E muitos homens e mulheres se aposentam cerca de cinco anos antes da idade indicada nos regulamentos. Isso não é também um desperdício de mão de obra?”, questiona a socióloga Gui Xiehua, da Universidade do Povo.

Pequenos Imperadores

Há um entendimento comum de que a geração pós-1980, como é chamada na China, é responsável por uma população de crianças mimadas e egoístas, máxima que deu origem ao termo “pequenos imperadores”, como são chamados esses jovens.

Para testar a realidade do conceito, um grupo de pesquisadores australianos conduziu um estudo com 421 adultos, metade deles nascidos antes da política do filho único, e a outra metade nascida após 1979. Através de testes de personalidade, entrevistas e desafios econômicos, os resultados mostram que adultos nascidos pós-1980 são mais egoístas, menos confiáveis, possuem menor habilidade social e comunicativa e são menos dispostos a tomar iniciativas que veem como arriscadas.

“Não acho que o egoísmo dos jovens chineses seja relacionado apenas à politica do filho único. Há muita gente que tem irmãos e é egoísta. É preciso também avaliar, no caso da China, o ambiente econômico em que essas crianças nasceram”, diz Xie Guihua. A socióloga acrescenta que a característica também pode não ser definitiva, visto que o governo e a mídia chinesa mantêm um discurso mais comunitário em detrimento do individualismo. “Essas pessoas podem mudar ao crescer e se adaptar à sociedade”.

Discrepância entre gêneros

É também decorrente da política do filho único a disparidade entre homens e mulheres na China. Com um sistema social e de previdência quase inexistente, a sociedade chinesa organizou-se sob um sistema em que os filhos cuidam dos pais na velhice. Assim, cada filho tem a pressão econômica de prover para seus pais quando adultos.


Alto número de abortos em bebês do sexo feminino levou a um predomínio de homens adultos na China

No caso das mulheres, que casam e se tornam parte da família do esposo, a obrigação aumenta, visto que ela é responsável pelos seus sogros, além dos próprios pais. Esse sistema causou o aborto de milhares de bebês do sexo feminino, especialmente nas zonas rurais, e, somado à política de filho único, levou a China a ser um país velho e masculino. Em 2020, haverá na China 37 milhões de homens solteiros, sem mulheres com quem casar.

“A falta de apoio na velhice é, para mim, a pior consequência da política. Os jovens chineses acabam tendo os pais como um fardo”, avalia Xie Guihua. A pressão econômica aumenta na medida em que o mercado de trabalho está saturado e muitos jovens graduados não conseguem empregos. Há ainda o crescimento da poupança feita pela sociedade, que esfria o mercado interno. “Antes de pensarmos no fim da política, deveríamos rever nosso sistema de previdência social e saúde”, sugere a especialista. No maior asilo da capital, há uma lista de espera de 100 anos para um leito.

Fonte: Opera Mundi